Arthur Maia: “Reforma não atinge o direito do pobre, só atinge quem ganha os salários maiores”


“Estamos acabando com privilégios. Não é justo que os altos funcionários públicos possam se aposentar ganhando até R$ 33 mil”, frisou. “Essa reforma não atinge o direito do pobre. Só atinge quem ganha os salários maiores”, afirmou. 

30 de novembro de 2017 08:37Comentários desativados em Arthur Maia: “Reforma não atinge o direito do pobre, só atinge quem ganha os salários maiores”

Durante entrevista concedida à  TV Câmara, nesta quarta-feira (29), o relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA), afirmou que o objetivo do texto é, além de reorganizar as contas públicas, combater privilégios. “O Brasil precisa dessa reforma, ela acaba com privilégios.”

“Estamos acabando com privilégios. Não é justo que os altos funcionários públicos possam se aposentar ganhando até R$ 33 mil”, frisou. “Essa reforma não atinge o direito do pobre. Só atinge quem ganha os salários maiores”, afirmou.

Ele explicou que 98% dos brasileiros não são servidores públicos e que, por isso, o valor máximo de aposentadoria que podem ter é de R$ 5.531,31. Os outros 2% da população, que fazem parte do funcionalismo, podem ter benefícios muito superiores ao teto. Ele citou o caso de juízes, políticos e servidores de alto escalão, cuja aposentadoria pode alcançar R$ 33 mil.

“Isso é um privilégio. Um se aposenta com R$ 5 mil, e o outro, com até R$ 33 mil por ser um servidor. A reforma acaba com isso”, argumentou o deputado. Maia informou ainda que todos estarão submetidos às regras que forem aprovadas na reforma, inclusive servidores públicos e políticos.

VideoChat – Reforma da Previdência

#AOVIVO | Participe do #videochat sobre a #ReformaDaPrevidência com o relator da proposta, deputado Arthur Oliveira Maia, e tire suas dúvidas! 📱💻

Publicado por TV Câmara em Quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Fonte:  com informações da TV Câmara

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.