Banco Central vai reduzir projeção de crescimento econômico para menos de 2%


Diretores do BC têm sido bombardeados de más notícias nas conversas que vêm mantendo com economistas de mercado para elaborarem o Relatório de Inflação.

11 de junho de 2018 13:16Comentários desativados em Banco Central vai reduzir projeção de crescimento econômico para menos de 2%

O Banco Central vai enfiar os dois pés na realidade. Com a economia derretendo, em meio às incertezas políticas, a instituição reduzirá suas projeções para o Protudo Interno Bruto (PIB) deste ano dos atuais 2,6% para algo entre 1,5% e 2%. A nova estimativa constará no Relatório Trimestral de Inflação que será divulgado no fim de junho.

Diretores do BC têm sido bombardeados de más notícias nas conversas que vêm mantendo com economistas de mercado para elaborarem o Relatório de Inflação. Além da atividade mais fraca, os especialistas ressaltam que a inflação deste ano e do próximo será mais alta, reflexo, sobretudo, da recente disparada do dólar e dos estragos provocados pela greve dos caminhoneiros.

O BC, em seu relatório, não jogará a toalha, até porque esse não é o seu papel. Mas, mesmo ressaltando que a economia brasileira tem bons fundamentos para enfrentar a atual crise, destacará que a onda de incertezas aumentou muito, tanto no plano doméstico, por causa das eleições e da não aprovação da reforma da Previdência, quanto no plano externo, diante da mudança na política monetária dos Estados Unidos.

Na avaliação de analistas que têm canal direto com o BC, o Brasil sofre por ter um governo fraco, rejeitado por 82% da população e que perdeu a capacidade de articulação com o Congresso. Por isso, o trabalho da autoridade monetária para manter o mínimo de ordem da economia será maior. Até bem pouco tempo atrás, mesmo ciente das fragilidades do governo de Michel Temer, o mercado mantinha uma postura complacente. Depois da greve dos caminhoneiros, que explicitou um governo sem rumo, essa complacência se esvaiu por completo. O dólar disparou e a Bolsa de Valores derreteu.

Há, ainda, outra observação do mercado: a perda de poder da equipe econômica. Hoje, tanto na Fazenda quanto no Planejamento, o que se vê é o segundo escalão dando as cartas. Mas nenhum dos técnicos tem trânsito suficiente no Palácio do Planalto e no Congresso. Estão mais ali para cumprir tabela até o fim melancólico do governo. O quadro só não está pior devido à permanência de Ilan Goldfajn à frente do Banco Central.(Com coreiobraziliense)

Os comentários estão fechados

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.