Por que reflorestar as margens de rios e nascentes é tão importante?

A ganância por áreas favoráveis a agricultura, pecuária, loteamentos e construções em nosso país tem contribuído para agravar um sério problema ambiental: a redução da mata ciliar, com consequente assoreamento do leito dos rios e comprometimento das nascentes. A solução para se reverter esse quadro é simples: reflorestar as margens dos nossos rios e nascentes.

Para ter noção da importância e dos benefícios desse tipo de reflorestamento, precisamos entender o que é mata ciliar:

De acordo com o Glossário de Termos Hidrológicos da Agência Nacional de Águas – ANA – Mata Ciliar é aquela que cresce naturalmente nas margens de rios ou córregos ou foi reposta, parcial ou totalmente, pelo homem. Sua função de proteção aos rios é comparada aos cílios que protegem os olhos, daí o seu nome.

A mata ciliar também é conhecida como mata de galeria, mata de várzea, vegetação ou floresta ripária. A área composta de mata ciliar é considerada pelo Código Florestal Federal como APP – “área de preservação permanente”, devendo possuir uma extensão específica a ser preservada de acordo com a largura do rio, lago, represa ou nascente¹.

Sem a proteção oferecida pelas matas ciliares, os rios e nascentes ficam vulneráveis, dentre outros problemas, a:

  • Escassez de água ou ressecamento dos olhos d’água: a água da chuva escoaria sobre a superfície, não permitindo sua infiltração e armazenamento no lençol freático.
  • Erosão e Assoreamento: a terra das margens ficam sem apoio e acabam caindo diretamente dentro do rio, tornando-o barrento, dificultando a entrada da luz solar e, consequentemente, dificultando a vida aquática de seguir seu ciclo.
  • Erosão e assoreamento dos corpos d’água

Em entrevista para o  site do Globo Ecologia, o coordenador do Programa da Amazônia da ONG WWF-Brasil, Mauro Armelin, falou sobre reflorestamento. Segundo ele, a floresta tem função na regulação. No caso do reflorestamento nas margens, além da função física, de construção civil, de segurar a barranca com suas raízes, as espécies plantadas nas margens também protegem a vegetação lateral do rio, que é a chamada mata ciliar. Além de não perder solo, que pode assorear o rio”. E continuou: Nascente de água é aquela água que brota no solo. Se deixamos ela exposta ao sol ou com uma cultura por cima que não está integrada com o regime hídrico, ela vai secar.

Solução:

A solução para o problema é devolver às margens dos rios e das nascentes a vegetação típica da região em que se encontram. É importante a utilização de espécies nativas no processo de reflorestamento pois, a flora nativa, sofreu um rigoroso processo de seleção natural, através de milhares de anos de interação com aquele meio ambiente, gerando, assim, espécies geneticamente resistentes e adaptadas ao local onde ocorrem. Portanto, são ideais para desempenhar a função de controlar o excesso de água das chuvas no solo; evitar a perda de água dos rios e oceanos; gerenciar a filtração e a absorção de resíduos presentes na água; evitar o escoramento e a erosão do solo, além de fornecer alimentação e abrigo para agentes polinizadores.

A Embrapa, através da unidade Embrapa Clima Temperado , vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, orienta ações de recuperação de matas ciliares. Visite o site e conheça o que está sendo feito no Brasil.

Mata Ciliar Conservada

Paraná dá o exemplo:

Visando buscar soluções para os problemas relacionados à reconstituição, manutenção e proteção das áreas de preservação permanente, tendo como foco as matas ciliares, o Governo do Estado do Paraná, sob a coordenação da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – SEMA, com a Secretaria de Estado do Planejamento – SEPL e Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento – SEAB, com suas respectivas Instituições vinculadas, e com apoio de um comitê assessor interinstitucional, lançou o Projeto Mata Ciliar em novembro de 2003. O projeto constitui o maior projeto de Mata Ciliar do Brasil (Fonte: Portal São Francisco)

Conheça mais sobre o Programa Mata Ciliar acessando o site www.mataciliar.pr.gov.br.

Crédito de Imagem: site do Programa Mata Ciliar do Governo do Paraná

¹Uma das principais críticas às alterações no Código Florestal Brasileiro diz respeito ao uso de áreas de preservação permanente (APPs). Uma emenda aprovada na Câmara, em maio deste ano, deu origem ao artigo que legitima as APPs ocupadas com atividades agrossilvipastoris, ecoturismo e turismo rural, desde que consolidadas até 22 de julho de 2008. A data é referente à publicação do Decreto 6.514, que regulamentou punições a infrações contra o meio ambiente, conforme a Lei dos Crimes Ambientais (Lei 9.605/98).

Fonte  Tônia Amanda Paz dos Santos/maesso.wordpress.com

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.